Nunca seré viejo

29/05/2006 § 2 Comentários

Amo Gabriel García Márquez, o Gabo, e descobri hoje, por causa dele, que nunca serei velho, na releitura, no original em espanhol de El amor en los tiempos del cólera. Divido.

Mucho tiempo atrás, en una playa solitaria de Haití donde ambos yacían desnudos después del amor, Jeremiah de Saint-Amour había suspirado de pronto: “Nunca seré viejo”. Ella lo interpretó como un propósito heroico de luchar sin cuartel contra los estragos del tiempo, pero él fue más explícito: tenía la determinación irrevocable de quitarse la vida a los sesenta años.


Gosto da cena não apenas pelo tom da revelação escancarada, mas por ela invocar de forma tão bela o momento após o amor. Fico imaginando os dois deitados nus, na praia, olhando as gaivotas sobrevoando o mar, e ele contando com uma voz serena e tranqüila que não será velho. E aí, ainda olhando pro céu, ela deixa escorrer uma lágrima solitária pelo canto do olho, sem nem se importar em esconder. Não diz nada. Não dizem nada.

Anúncios

§ 2 Respostas para Nunca seré viejo

  • Anonymous disse:

    Você já viu “Lúcia e o sexo”, do Júlio Meden? LINDO! É com a Paz Vega (se eu fosse morena, queria ser ela!). E esse trecho do livro do Gabo me lembrou algumas cenas do filme. Fica como dica.BeijosNena

  • Anonymous disse:

    bello!!^_^nao da para entender muito o espanhol…mas o que eu pude entender…e as suas palavras…sao bonitas…da para picutre…a scena…Ahhhh!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Nunca seré viejo no Ato ou Efeito.

Meta

%d blogueiros gostam disto: