Do orvalho e do frescor de manhãs especiais

18/09/2006 § Deixe um comentário

Quando somos náufragos, gotas de orvalho, especialmente gotas doces de orvalho, servem para saciar a nossa sede. Quando nem náufragos somos, também. E a temperatura nem precisa baixar bruscamente para que o orvalho tenha sentido. Manhãs quentes como essas do verão em Jerusalém também são ótimas quando gotas respingam distraídas.

[BTW] Uma foto, aqui.

[NOME AOS BOIS] Acabei de reler, agora em espanhol, Relato de un náufrago, do Gabriel García Márquez. O nome do livro é, na realidade, Relato de un náufrago que estuvo diez dias a la deriva en una balsa sin comer ni beber, que fue proclamado héroe de la patria, besado por las reinas de la belleza y hecho rico por la publicidad, y luego aborrecido por el gobierno y olvidado para siempre.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Do orvalho e do frescor de manhãs especiais no Ato ou Efeito.

Meta

%d blogueiros gostam disto: