Identidade perdida

06/02/2013 § 1 comentário

(Ou: Uma ode às mulheres)

Entro no ônibus. O lugar ao lado do meu já está ocupado. Sento sempre no corredor, por opção. Deixo a janela, preferência da maioria, para quem gosta. Minha preferência é sempre pelo lugar onde posso esticar as pernas e levantar tanto e quando quiser, sem incomodar. Sempre preferi ser incomodado a ser o incômodo. Coisa de tímidos…

O rapaz ao lado, 40 e poucos anos, sotaque marcante de algum interior, já está ajeitado para a viagem de oito horas e meia que temos pela frente. Já afivelou o cinto de segurança sobre a barriga que entrega a idade, virou o corpo um pouco para a esquerda, de forma a apoiar a cabeça cansada contra a janela chuviscada do fim de noite belorizontina.

De repente, o passageiro sentado no banco na frente dele, um senhor simples, mais velho, com o ralo cabelo bastante grisalho, estica o corpo e pede ajuda. Sua identidade havia caído no vão apertado entre a parede interna do ônibus e seu assento, mas ele não conseguia alcançá-la. O rapaz ao meu lado tenta, se dobra e desdobra, coloca a cabeça quase embaixo do banco.

O dono do documento perdido oferece um celular antigo, daqueles com função de lanterna (ah, os celulares antigos!) para ajudar. O rapaz tenta de novo, mas nem com a ajuda da luz consegue sequer ver onde o RG foi parar. Ofereço ajuda porque minha mão, fina e grande, poderia caber ali e alcançar o pedaço de plástico escondido. Meu vizinho aceita a ajuda.

A coisa vira uma operação de guerra: ele se levanta e observa, de pé. Eu me deito sobre os dois bancos, mergulhado com a cabeça sob o assento da frente e auxiliado pela lanterna celular. Tento. Não consigo identificar nada além de várias pipocas amolecidas e um chiclete tão velho quanto duro.

Pergunto ao velho senhor, cuja identidade não sei e se perdeu, se de onde ele está consegue ver o documento. Ele diz que sim. Decido então tentar pelo banco dele. Já são três homens levantados e dois outros curiosos acompanhando em silêncio. Passo para a frente e devolvo o celular, que meu vizinho usa para iluminar lá de trás.

Peço licença para uma senhorinha franzina, sentada no banco diante do meu. Ela tem os braços cruzados sobre o colo, como a esconder-se do frio do ar condicionado, que já opera. Ela nem se move, mas passo por ela sem dificuldade, de tão pequena, e me agacho diante do banco que tragou o RG. Fuço, olho, tento tatear, nada.

Impassível e sem sequer virar o rosto, a senhorinha diz: “Tente por baixo”. Sigo seu conselho e em dois instantes pesco o documento, para alívio do dono, entre outras pipocas velhas. Ela nem sorri, nem faz qualquer sinal. É como se pensasse “Esses amadores…”

Moral da história: Nem mesmo uma operação de guerra com vários homens envolvidos consegue resolver um problema que, em silêncio, uma mulher destranca, de forma simples e rápida.

Facebook: ato ou efeito de compartilhar com os amigos o que você lê e gosta.
Vá lá e compartilhe o Ato ou Efeito!

Anúncios

§ Uma Resposta para Identidade perdida

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Identidade perdida no Ato ou Efeito.

Meta

%d blogueiros gostam disto: